Teatro Trianon e Museu Histórico estavam sem fornecimento energia desde 27 de maio.

Segundo a concessionária, dívida do município chega a R$ 11 milhões.

Museu Histórico de Campos foi um dos prédios públicos que teve a energia religada nesta quinta-feira (25) Divulgação Depois de quase um mês sem energia elétrica, o Teatro Trianon e o Museu Histórico de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, tiveram o fornecimento restabelecido na manhã desta quinta-feira (25).

Os espaços públicos estavam às escuras desde o dia 27 de maio devido a dívidas do município com a empresa responsável pelo serviço. Além do Teatro e do Museu, o Jardim São Benedito também teve a energia restabelecida. Segundo a concessionária Enel, a energia foi religada depois de um depósito consignado de parte da dívida.

O total da dívida, segundo a concessionária, chega a R$ 11 milhões.

O valor depositado foi de R$ 123 mil.

De acordo com a Prefeitura, a iluminação do Museu e do Trianon foram religadas pela concessionária, através de decisão judicial, que, entre outros motivos apresentados à justiça, consideraram o serviço essencial e que a energia não poderia ser cortada durante a pandemia.

A Enel esclareceu que os cortes foram precedidos de notificação de acordo com a Resolução nº 878/2020 da Aneel, que dispõe de várias diretrizes de condutas a serem adotadas pelas concessionárias de energia elétrica em todo território nacional durante o cenário de avanço do novo coronavírus no país.

O G1 questionou o município sobre o valor do débito com a concessionária e, por meio de nota, o município esclareceu outra argumentação apresentada no processo judicial.

Segundo a nota, o restabelecimento ocorreu “devido o fato de a superintendência de Iluminação Pública já ter solicitado a Enel, há mais de um ano, a emissão de conta com código de barra individual para pagamento de fatura.

Este último pedido havia sido negado pela concessionária - que agrupava conta de vários imóveis numa única fatura, fazendo com que o valor da conta ficasse muito elevado.’’ Sobre o valor agrupado, a Enel informou que "a consolidação de todos os valores faturados em uma única fatura é um procedimento usual, autorizado pela Aneel – agência federal que regulamenta o setor elétrico – e tem como objetivo organizar os valores devidos, tornando mais prático o processo de pagamento". A concessionária ressaltou ainda que "a própria Superintendência de Iluminação Pública de Campos já solicitou diversas vezes, por meio de ofícios, a criação de vários agrupamentos para pagamentos de faturas, o que mostra a compreensão da própria Prefeitura sobre a praticidade de tal medida”. Durante o impasse entre a concessionária e a Prefeitura de Campos, a Inter TV e o G1 mostraram que obras raras ficaram expostas à falta de climatização no Teatro Trianon, que armazena parte dos livros da Biblioteca Nilo Peçanha fechada desde o início de 2017.

Veja outras notícias da região no G1 Norte Fluminense. * Estagiário sob a supervisão de Rodrigo Marinho