Desde que foi inaugurado em 1994, a unidade é operada pela Petrobras, que manifestou interesse em celebrar termo aditivo, porém a Prefeitura estuda conceder gestão à iniciativa privada.

Audiência Pública é feita para debater o futuro do Heliporto do Farol de São Thomé A Prefeitura de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, busca um modelo adequado para que Heliporto do Farol possa continuar suas operações dando apoio logístico à Bacia de Campos.

Na sexta-feira (10), o assunto foi tratado pelo Comitê Gestor de Parceria Público-Privada Municipal (CGP), instituído pela Prefeitura, em uma Audiência Pública no auditório da Câmara Municipal. Audiência Pública é feita no auditório da Câmara Municipal para debater sobre o futuro da gestão do Heliporto do Farol, em Campos dos Goytacazes, no RJ Tarcísio Nascimento O Heliporto do Farol foi inaugurado em 1994, e, desde então, é operado pela Petrobras.

Na época, a empresa recebeu o direito de exploração da área por 20 anos, que venceu em 2014.

A Petrobras manifestou interesse em renovar por mais 10 anos, porém a Prefeitura estuda conceder a gestão à iniciativa privada. Assim, o município estrutura um projeto, para aprimorar a infraestrutura aeroportuária à disposição da Petrobras, permitindo também que outras empresas que atuam na Bacia de Campos possam utilizar a infraestrutura do heliporto, movimentando a economia local.

O objetivo é abrir um leque maior de oportunidades e dinamizar as atividades do Heliporto, ao mesmo tempo gerando mais emprego e renda, principalmente na localidade do Farol de São Thomé, segundo a Prefeitura. No entanto, com base na legislação federal, para que o município possa conceder à iniciativa privada a exploração comercial do heliporto, é necessário um “Convênio de Delegação” entre a União e o Município. Veja outras notícias da região no G1 Norte Fluminense.